Mandela e Cuito Canavale os marcos da derrota do Apartheid

https://i1.wp.com/blackagendareport.com/sites/www.blackagendareport.com/files/imagecache/feature400/mandela_castro.jpgEscrito por Achille Lollo por Correio da Cidadania – São Paulo/Brasil

Nelson Mandela morreu vinte cinco anos após a batalha de Cuito Canavale, que na história do continente africano simboliza o marco da derrota do regime do Apartheid e do Imperialismo. De fato, os EUA e as potências européias, durante quarenta anos, ampararam política e juridicamente os arbítrios e as violações da minoria branca sul-africana em função da estrondosa riqueza do subsolo da África do Sul. Foi também para preservar essas riquezas que Ronald Reagan e seu Secretário de Estado, George Schutz tiveram que engolir dois sapos, o cubano e o angolano, e decretar aos 4 de maio de 1988, o fim da ocupação sul-africana no território da “South-West Africa” (Namíbia), para realizar eleições livres, que a SWAPO ganhou com ampla maioria, podendo, finalmente, proclamar, em 1990, a independência da Namíbia.

Assim, com quase doze de atraso e milhares de namibianos mortos, encarcerados, torturado e exilados, a resolução 435/78 das Nações Unidas foi implementada, criando um novo cenário político na África Austral que o Império nunca mais com seguiu controlar. De fato, Mandela, apesar de estar preso em Robben Island, após o desfecho de Cuito Canavale e a proeza realizada na Cahama pelas forças cubanas, conseguiu fazer chegar a Joe Slovo – o único membro ainda em liberdade do Estado Major do braço armado do ANC (Umkhontoata we Sizwe – Lança da Nação) a ordem para criar em todo o país um clima político insurrecional promovendo grandes e continuas manifestações de massa. Nelson Mandela, entendeu que se a derrota da SADF em Cuito Canavale, havia, finalmente, aberto a estrada à independência da Namíbia, também na África do Sul havia, finalmente, chegado o momento para o ANC chamar o povo sul-africano a desafiar o establishment do Apartheid, com a realização de continuas mobilizações nos bairros negros e manifestações nos centros das cidades.
Hoje, a “grande mídia” comemora a morte de Mandela de forma extemporânea, apresentando-o não como o chefe da resistência armada do ANC, mas, sim, como o gentil e dócil colaborador sul-africano que teria dado continuidade ao sistema de exploração mineira e industrial. De fato, a África do Sul, como antes dela a Namíbia e o Zimbábue, não ficou refém da guerra civil que o Império, através da direita participação conspiratória do regime de Apartheid, provocou em Angola e depois em Moçambique.
Nelson Mandela sabia, muito bem que: 1) Em 1990, o ANC, política e sobretudo militarmente nunca poderia suportar os efeitos destruidores de uma guerra civil a longo prazo, pela qual grande parte da minoria branca estava preparada; 2) O acordo quadripartido (Angola, Cuba, EUA e África do Sul) assinado em Nova Yorque aos 4 de maio de 1988, fixava em dois anos a retirada do contingente cubano de Angola e em um ano a saída dos batalhões sul-africanos da Namíbia, fazendo, assim aumentar a presencia da SADF (exército) nas províncias da RSA mais urbanizadas; 3) O presidente da URSS, Mikhail Gorbatchov e sobretudo seu ministro das relações exteriores, Eduard Shevernadze, eram totalmente contrários que o ANC organizasse a insurreição do povo negro nas principais cidades da RSA; 4) Lembrando também que Shevernadze batteu o pé, quando Fidel ordenou ao comandante das FAR cubanas em Angola, Arnaldo Ochoa Sanchez, de manter-se preparado para continuar a ofensiva, a partir de Cahama, contra as unidades do exército sul-africano no norte da Namíbia.

1988: Cuito Canavale e Cahama quebram o mito do exército racista

A batalha de Cuito Canavale começou em 15 de novembro de 1987 e acabou aos 23 de março de 1988 com o desfalecimento orgânico das unidades da UNITA, que nessa batalha perdeu oficialmente 3.980 homens. Porém informações fidedignas relatam que mais de 2.500 “soldados da UNITA morreram nos rios e nas lagoas e seus corpos nunca foram recuperados”. Outros 1.500 se entregaram e cerca de 8.000 soldados ficaram feridos e evacuados para a Namíbia, a maioria deles com pernas amputadas à causa da explosão das minas anti-homem. Por sua parte, o general Magnus Malan, Ministro da Defesa sul-africano, nas suas memórias escreveu que, durante quase um ano de operações de guerra na região de Cuito Canavale morreram, apenas, 39 soldados sul-africanos!
De fato, o general não revelou que a “Operação Hooper”, havia sido planejada para salvar fisicamente a UNITA entrincheirada em Mavinga e que o Estado Major sul-africano havia transferido para o sul de Angola as melhores unidades do exército equipadas de tanques Olifant e Ratel; numerosas baterias moveis anti-aéreas; as rampas de lançamento dos mísseis Cactus e Tigercat; mais dois batalhões de artilharia armada com os poderosos canhões G5 de 155mm, capazes de disparar seu projétil até 40Km. Também, em suas memórias o general não especificou que a maior parte dos soldados que a SADF utilizava em operações fora dos confins sul-africanos eram mercenários estrangeiros, cujo massivo recrutamento, iniciou em 1975, com a criação do Batalhão 32 “Buffalo”. Na realidade os mortos dessa Legião Estrangeira do exército sul-africano nunca resultaram nas listas dos soldados sul-africanos mortos em combate, pelo fato de ser estrangeiros e mercenários.
É preciso lembrar que o elemento estratégico mais dinâmico do regime de Apartheid foi transferir os conflitos armados para além de suas fronteiras e localizá-los diretamente nos territórios do inimigo. Assim foi em Angola, quando, em 1981, as unidades regulares da SADF e os mercenários do Batalhão 32 “Buffalo” invadiram o sul do país, ocupando uma longa faixa no sul das regiões de Cunene e de Huila, até serem derrotados em Cahama pelas FAPLA angolanas e as FAR cubanas.
Em Moçambique, a SADF criou e sustentou a RENAMO durante doze anos, com o único objetivo de pressionar o governo moçambicano e o partido FRELIMO em não ajudar militarmente o ANC e antes dele o ZANU e o ZAPU do Zimbábue (ex-Rodesia).
Em 1986, o general Malan submeteu à “eminência parda do Apartheid”, o Ministro das Relações Exteriores Pik Botha, o projeto de reforçar a presença militar da UNITA de Savimbi, em Mavinga, para permitir aos parceiros europeus da África do Sul (França, Grã Bretanha, Bélgica e Alemanha) de apoiar as tentativas de Ronald Reagan em deslanchar o líder da UNITA, Jonas Savimbi, em nível internacional através da interposição de Freedom House, que qualificava Mavinga um mini-estado rebelde governado pela UNITA no seio de Angola e portanto digna de um debate nas Nações Unidas.
Para evitar isso o Estado Major das FAPLA , em 1987, lançou uma ofensiva conseguindo cercar Mavinga. Porém, para evitar a possível morte ou captura de Savimbi, o Ministro da Defesa sul-africano, general Magnus Malan lançou a “Operação Hooper’, empregando cerca de 20.000 homens, com 500 tanques Olifant e Ratel, e o melhor da aviação de guerra sul-africana, que de fato provocou a retirada das quatro brigadas angolanas até a cidade de Cuito Canavale.
É nesse momento que Fidel Castro começou a jogar um papel determinante em termos políticos e estratégico mundial, inclusive por que não acreditava muito na “mala suerte de los assessores soviéticos”. De fato, não era a primeira vez que Fidel e Raul Castro tiveram que emendar erros táticos, operativos e sobretudos estratégicos cometidos pelos “camaradas generais soviéticos”. Por isso, Fidel comunicou ao presidente de Angola, Eduardo Dos Santos, que Cuba tomava o comando das operações para derrotar os sul-africanos em Cuito Canavale.
Assim, a famosa Divisão 50, e outras unidades de especialistas das FAR, além dos melhores pilotos de Mig 23 desembargaram em Luanda para integrar no sul do país uma linha de defesa que somava 40.000 cubanos, 60.000 angolanos e 10.000 soldados da SWAPO. Conseqüentemente, os generais cubanos, Arnaldo Ochoa e Cintra Frias alinharam na região de Cuito Canavale cerca 1000 Tanques T54/55, enquanto 300 helicópteros e 200 Mig 23 ficavam estacionados na base de Menongue, para depois ganhar todos os combates com os Mirages sul-africanos.

As crônicas das batalhas e a análise dos documentos militares sul-africanos e cubanos demonstram, sem sombra de dúvida, que a “Operação Hooper” depois do inicial sucesso nos redores de Mavinga, se transformou em um autêntico desastre político e militar, visto que os comandantes cubanos Ochoa e Cintra Frias ao fingir a retirada, atraíram as colunas de tanques e blindados sul-africanos e os homens da UNITA em um funil onde passaram a ser alvejados pelos canhões de 120mm e os foguetes S-25 (SAM Guild) e Strela 1 (AS-9 Gaskin) tendo como única saída os mortíferos campos de minas.
Segundo o presidente angolano, Eduardo Dos Santos, “com a vitória em Cuito Canavale e as medidas tomadas posteriormente foram eliminados os principais fatores externos que ainda condicionavam o conflito em Angola e abriu-se uma via favorável à sua resolução interna”. De fato, foi a partir desse momento que o Sub-Secretário dos EUA para as questões africanas, Chester Croker, começou a querer negociar com a Republica Popular de Angola o fim do conflito.
Aos 10 de março os jornais do mundo inteiro veicularam que os 15.000 soldados cubanos que estavam de prontidão na capital da região de Huila, Lubango, haviam sido transferidos por ordem dos generais Cintra Frias e Miguel Lorente Leon, até Cahama, onde os especialistas cubanos haviam criado, em apenas dois meses, uma pista para os Mig-23, outras duas para os helicópteros e uma base militar inteiramente subterrânea. Outra base com semelhantes particularidades estava sendo construída mais à sul em Xangongue, a menos de 200 quilômetros da fronteira com a Namíbia. Por duas vezes, os sul-africanos tentaram impedir essa concentração de tropas cubanas, mas, nada puderam fazer contra a supremacia da artilharia cubana e dos Mig-23, que, em resposta, foram bombardear os quartéis da SADF em Calueque, em território namibiano.
Diante da possível invasão dos 10.000 combatentes da SWAPO, apoiados pelos 40.000 cubanos que começavam a entrincheirar-se ao longo da fronteira namibiana, Chester Croker convenceu George Schutz e o presidente Reagan de que o principal objetivo era evitar a entrada dos cubanos na Namíbia. Por isso, era necessário iniciar imediatamente as negociações com Angola, negociando e aceitando todas as reivindicações da SWAPO. Assim, em menos de dois meses, os negociadores de EUA, África do Sul, Angola e Cuba, se encontraram primeiro no Cairo, depois em Londres e por fim em Nova Yorque, onde aos 4 de maio foi assinado o acordo de paz com base a implementação da resolução da ONU 438/78.

O desmanche do regime de Apartheid

É evidente que a batalha de Cuito Canavale e depois o acordo para a independência da Namíbia quebram os principais conceitos políticos e geoestratégicos do regime de Apartheid. Nas mãos do sucessor do ultra-conservador Pieter Botha, Willem de Klerk, permaneceu, apenas, a opção de uma resistência militar com a explosão de uma guerra civil que podia degenerar no extermínio da minoria branca e a destruição de um rico e poderoso parque industrial. De fato, o Ministro da Defesa Malan tentou cavalgar por certo tempo, essa opção colocando os mercenário do Batalhão Búfalo na repressão das manifestações nos centros urbanos e nos bairros negros das periferias das grandes cidades. Mas os resultados eras sempre os mesmos: mortos, feridos, jovens presos e o dia seguinte mais manifestações para lembrar quem morreu, quem foi ferido quem estava sendo torturado nas prisões!

O povo negro da África do Sul voltou a ocupar as ruas e a enfrentar a polícia por que Cuito Canavale e Mandela haviam quebrado o mito da imbatíbilidade do regime de Apartheid. Havia a certeza de que aquela era uma luta justa, por isso ninguém recuava quando apareciam os blindados do Exército ou da polícia sul-africana. O motivo do atrevimento político por parte dos jovens sul-africanos era a extrema certeza de que estavam lutando para acabar com o Apartheid, mesmo sem ter canhões e tanques. E foi por isso que o regime de Apartheid foi derrotado, obrigando o presidente Willem de Klerk em assinar a lei que aos 2 de janeiro de 1990 legalizava o ANC, o PAC, o Partido Comunista Sul-africano e todos os outros organismos anteriormente proibidos. A seguir veio a lei que libertava os presos políticos e por fim a negociação com Mandela sobre a transição.

Depois de dezoito meses de intenso debate e preparação, o novo parlamento sul-africano aprovou o Ato de Promoção da Unidade e Reconciliação Nacional, que estabelecia a Comissão de Verdade e Reconciliação. Em 1995, a comissão foi chefiada pelo arcebispo Desmond Tutu. As audiências para ouvir o testemunho de mais de 23 mil vítimas e testemunhas começaram em 1996 e acabaram em 1998 com a publicação dos trabalhos em cinco volumes.
Na Comissão de Verdade e Reconciliação, que foi muito criticada por oferecer a anistia aos agentes da opressão, prevaleceu a idéia de recorrer à justiça restaurativa e não à retributiva. Apesar da anistia, o reconhecimento da verdade e a rejeição social dos atos cometidos funcionaram como um processo de reprovação moral. O arcebispo anglicano Desmond Tutu, um dos maiores defensores das comissões de verdade e da justiça restaurativa, ressaltou que esta visão é baseada não só em idéias cristãs de perdão para aqueles que reconhecem seus erros, como também no conceito indígena africano de ubuntu. Pois, segundo o arcebispo Desmond Tutu “…a concepção de “ubuntu” está ligada à busca por harmonia social visto que um ser humano só é um ser humano por meio de outros e, se um deles é humilhado ou diminuído, o outro o será igualmente. É praticamente a idéia de compartilhar e de pertencer a uma comunidade…” (Tutu, 2000, p. 35,).

Achille Lollo é jornalista italiano, correspondente do Brasil de Fato na Itália e editor do programa TV “Quadrante Informativo” e colunista do “Correio da Cidadania”

I commenti sono chiusi.
"En Tiempos de Guarimba"

Conoce a quienes te quieren dirigir

La Covacha Roja

Donde encontramos ideas avanzadas

Pensamiento Nuestro Americano

Articulando Luchas, Cultivando Resistencias

RE-EVOLUCIÓN

Combatiendo al fascismo internacional

Comitè Antiimperialista

Contra les agressions imperialistes i amb la lluita dels pobles per la seva sobirania

SLAVYANGRAD.es

Nuestra ira no tiene limites. (c) V. M. Molotov

Auca en Cayo Hueso

Just another WordPress.com site

Gli Appunti del Paz83

Internet non accende le rivoluzioni, ma aiuta a vincerle - Il Blog di Matteo Castellani Tarabini

Sociología crítica

Articulos y textos para debate y análisis de la realidad social

rojoutopico.wordpress.com/

Blog de opinión igualitaria, social y política de un tipo Feminista, Galileo y Anticapitalista.

Hugo Chavez Front - Canada

Get to know what's really going on in Venezuela

Revista Nuestra América

Análisis, política y cultura

Avanzada Popular

Colectivo Avanzada Popular

Leonardo Boff

O site recolhe os artigos que escrevo semanalmente e de alguns outros que considero notáveis.Os temas são ética,ecologia,política e espiritualidade.

La Historia Del Día

Blog para compartir temas relacionados a la historia, la política y la cultura

Planetasperger

sindrome de asperger u otros WordPress.com weblog

Vientos del Este

Actualidad, cultura, historia y curiosidades sobre Europa del Este

My Blog

Just another WordPress.com site

Festival delle idee politiche

Rassegna annuale di teorie politiche e pratiche della partecipazione civile

Far di Conto

Piccoli numeri e liberi pensieri

Miradas desde Nuestra América

Otro Mundo es Posible, Necesario, Urgente. Desde la provincia chilena

L'angolo dei cittadini

La tua provincia

Como te iba contando

Bla bla bla bla...

Coordinadora Simón Bolívar

¡Bolívar vive la lucha sigue!

LaDu

Laboratorio di Degustazione Urbana

www.logicaecologica.es/

Noticias saludables

il Blog di Daniele Barbieri & altr*

"Per conquistare un futuro bisogna prima sognarlo" (Marge Piercy)

KFA Italia - notizie e attività

notizie dalla Corea Popolare e dalla Korean Friendship Association

KFA Euskal Herria

Korearekiko Laguntasun Elkartea | Korean Friendship Association

ULTIMOTEATRO.PRODUZIONIINCIVILI

Nuova Drammaturgia del Contemporaneo

Sociales en PDF

Libro de sociales en formato digital.

matricola7047

Notes de lectura i altres informacions del seminari sobre el Quaderns de la Presó d'Antonio Gramsci ( Associació Cultural Espai Marx)

Centro Cultural Tina Modotti Caracas

Promoción de la cultura y arte Hispanoamericana e Italiana. Enseñanza y educaciòn.

Racconti di quasi amore

a costo di apparire ridicolo

Ex UAGDC

Documentazioni "Un altro genere di comunicazione"

Esercizi spirituali per signorine

per un'educazione di sani principi e insane fini

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: