Quo Vadis Partido Democrático?

https://i1.wp.com/www.formiche.net/wp-content/uploads/2013/12/matteo-renzi-188808.jpgEscrito por Achille Lollo (ROMA), para Correio da Cidadania – São Paulo/Brasil aos 10/12/2013

Este é o questionamento que a maioria dos eleitores do PD faz após as eleições primárias de 8 de dezembro, onde Matteo Renzi, prefeito de Florência, ganhou a cadeira de Secretário Geral, juntamente a doze desconhecidos dirigentes, membros da nova direção que, agora, pretendem “rottamare”, isto é “mandar embora” o velho grupo dirigente, filhote do compromisso histórico de Enrico Berlinguer e dos “acordos amplos” de Giorgio Napolitano.

Neste contexto – que toda a mídia exalta -, a principal característica política da “Onda de Matteo Renzi” é que com ele o PD não vai atacar o capital financeiro ou o mundo empresarial. De fato, a Confindustria (CIESP italiana) os diretores da “grande mídia”, o Departamento de Estado e o Banco Central Europeu sabem perfeitamente que Renzi é, apenas um “democrático progressista” que nunca teve a ver com o marxismo e nunca integrou a contestação juvenil! Renzi é, praticamente, o produto político e cultural da crise ideológica que o PCI introduziu na esquerda italiana quando optou em querer entrar nas salas do poder sustentando a componente progressista da Democracia Cristã. De fato, a componente “cristão social”, cujos principais líderes são o chefe do governo Enrico Letta e Dario Franceschini, hoje é quase majoritária no PD.

Por outro lado, Renzi, ao manifestar o projeto de rejuvenescer o partido revelou, também, que seu objetivo é acabar com as ícones do passado, que, a partir de 1989, favoreceram a maquilagem política do “PCI-PDS-Ulivo-PD”. Declarações que satisfazem plenamente as excelências do capital porque desta forma o PD vai concluir sua projeção social-democrata, para assumir, concretamente, o caminho do social-neoliberalismo, também conhecido por Terceira Via. Se isso vai mesmo acontecer, em muitos sindicatos e, sobretudo, na central sindical CGIL e na Federação dos Metalúrgicos (FIOM), muitas carteiras do PD serão queimada em sinal de protesto. Uma contestação feita por os setores de esquerda da base operária que, porém, não modificará o rumo que o partido vai assumir.

Em linhas gerais, a possível transformação política do PD, prevê pensionar a velha guarda berlingueriana, isto é dirigentes históricos, tais como D’Alema, Veltroni, Epifani, Bersani, Finocchiaro, Rosy Bindi etc., que no PD são donos de poderosas “correntes” que controlam cerca de 68% do “aparelho partidário”.

Um problema complicado que Matteo Renzi, e, sobretudo, seus doze apóstolos da Secretaria, deverão enfrentar com muito cuidado, porque sem este 68% o PD não se movimenta e, em caso de conflito interno, pode ficar definitivamente parado por que o Partido Democrático, desde sua fundação, em 2007, priorizou profissionalizar o pessoal indicado pelas correntes, no lugar de recorrer ao voluntariado dos militantes. Desta forma, em poucos anos, o controle do partido passou nas mãos das correntes que aparentemente dizem de velar pela unidade do partido, mas, na verdade, praticam uma ferrenha luta subterrânea em todas as federações e círculos partidários.

É suficiente lembrar o famoso “caso dos 101 sabotadores”, isto é os 101 parlamentares do PD ligados às correntes que inviabilizaram a eleição à presidente de Romano Prodi, abrindo assim o caminho ao segundo mandato de Giorgio Napolitano, antigo líder da corrente “melhoradora” no então PDS (ex-PCI) e grande aliado da nomenclatura berlingueriana, liderada por Massimo D’Alema.

Mas se a situação do PD e tão imbricada por que dois milhões de eleitores do PD escolheram Matteo Renzi e não o candidato continuista, Gianni Cuperlo?

Antes de tudo por que Renzi é um candidato jovem, extremamente comunicativo, que não usa tergiversações quando fala, sabendo contentar as platéias e, então, dizer o que elas querem que seja dito. Na pratica é um populista moderno que encantou todos aqueles que perderam a confiança no PD e a esperança de governar a Itália dentro de uma ótica de esquerda. De fato, cerca da metade do eleitorado do PD é formado, por comunistas que, por absurdo, acreditam que os dirigentes que em 1989 enterraram o PCI e a ideologia do marxismo, ainda são comunistas! Um equivoco político e histórico que se consolidou a partir de 1994, em função da grande saudade pelo PCI e pela incapacidade de Pietro Ingrao e dos dirigentes do PRC (Partido da Refundição Comunista) de refundar o Partido Comunista Italiano.

Ao analisar o complexo cenário de crise do PD é preciso dizer que a vitória de Matteo Renzi foi um mal inevitável para a salvação desse partido, visto que D’Alema ou Bersani nunca conseguiram que o PD fosse um verdadeiro partido social-democrata e também Veltroni nunca conseguiu transformar o PD em um partido liberal-democrático clintoniano. De fato, o próprio D’Alema, líder da maior corrente do PD, admitiu que “…a vitória de Matteo Renzi permitirá ao PD de recompor os laços de confiança com o eleitorado e assim afastar a grave crise que havia submergido o PD nesses últimos dois anos”.

Será, portanto, nesta base, que nos próximos meses os líderes das correntes deverão fechar um acordo tácito com Renzi, do momento que o PD deve sustentar o governo de amplias coligações de Enrico Letta pelo menos até julho de 2014, visto que aos 22 de junho se realizarão as eleições européias.

Eleições que o PD deve absolutamente ganhar para dar oxigênio político ao governo liderado por Enrico Letta e, conseqüentemente marcar as eleições legislativas somente em maio de 2015.

Para garantir essa agenda é preciso que o novo secretário do PD, Matteo Renzi, trabalhe em concomitância com o primeiro ministro, Enrico Letta, o presidente da República, Giorgio Napolitano e a Secretária Geral da central sindical CGIL, Susanna Camusso. Isto é dar continuação, em nível econômico e financeiro, aos laços de dependência que a Itália mantém com a Troika (FMI, Banco Mundial e BCE). Em nível político, o governo e o PD deverão respeitar todos os parâmetros de austeridades fixados pela BCE, e implementar as diretivas da União Européias para abaixar a dívida pública que alcançou 132% do PIB. No que diz respeito ao contexto geoestratégico da região mediterrânea as regras serão sempre ditadas pelos generais do Pentágono e da OTAN.. Questões que Matteo Renzi, nunca questionou, nunca criticou, e que nunca se atreverá a por em discussão na reunião de Secretaria do PD.

O 9º Congresso do PRC que a mídia ignorou

Pela primeira vez, nos últimos vinte anos de história do jornalismo político italiano, todos os órgãos da grande mídia, seja ele jornal, revista, rádio, televisão ou até webtv, censuraram o PRC (Refundição Comunista),  recusando-se de escrever uma única linha sobre o 9º Congresso desse partido. Não é exagero mas, sim, a simples verdade, visto que até dia 10 nenhum jornalista do progressista diário La Repubblica criticou os “cripto-comunistas do PRC”, como sempre faz e nenhum editor do “L’Unità” (o jornal do PD) repetiu os maldosos comentários, com os quais esse jornal sempre atacou o PRC .

Praticamente ninguém veiculou a miserável notinha com 250 caracteres para dizer que “…de 6 a 8 de dezembro se realizou em Perugia o Congresso do PRC (Partido da Refundição Comunista), que nesses últimos dois anos sofreu 5 cisões e uma volumosa sangria de militantes, que determinaram o rebaixamento eleitoral a menos de 1,5%…”

O motivo é simples, talvez o de sempre: as excelências da direita, do centro-direita e do centro-esquerda, ao uníssono, decidiram que para a grande mídia ampliar, ainda mais, a crise política que Paolo Ferrero e Claudio Grassi determinaram no PRC com suas devassantes propostas eleitorais e organizativas, devia-se ignorar a realização do Congresso do PRC.

Uma situação difícil, para um pequeno partido comunista como o PRC, que não tem mais seu jornal “Liberazione”, para comunicar com o movimento e com a sociedade, não tanto por falta de dinheiro, mas por excessos de incompatibilidade política na redação. De fato, quando os conflitos políticos quebraram a unidade na Comissão Política Nacional (CPN), algumas “tendências” começaram a atuar como mini-partidos no seio do PRC, exasperando ainda mais as brigas pessoais e as pretensas “diferenciações ideológicas”, alimentando, assim, a corrida em direção da cisão. Primeiro foi SEL (Esquerda, Ecologia, Liberdade), depois foi a vez de Esquerda Crítica, a seguir foi o PCL (Partido Comunista dos Trabalhadores), e ainda Esquerda Anti-capitalista e por último foi a vez de Reconstrução do Partido Comunista!

Diante desse cenário de fragmentação política e ideológica, Claudio Grassi – líder da corrente majoritária “Reconstruir a Esquerda”, propôs neste Congresso a formação de uma “Syriza ita­liana” com a qual poder voltar no universo parlamentar e negociar uma aliança eleitoral com o PD. Praticamente Claudio Grassi sonha consolidar a formação de um novo partido federativo da esquerda alternativa, cujos principais sujeitos seriam o PRC, liderado por Paolo Ferrero, SEL (Socialismo, Ecologia e Liberdade) de Niki Vendola – que já está no Parlamento por ter apoiado o PD nas últimas eleições – e o PDCI (Partido dos Comunistas Italianos) de Oliviero Diliberto – que também apóia o PD em nível regional. Uma proposta que foi vaiada no Congresso e que mereceu uma crítica pelo próprio secretário Paolo Ferrero que, por sua parte, pretende dar uma nova identidade à esquerda italiana sem ficar atrelado ao aparelho eleitoreiro do PD e do centro-esquerda.

Porém, o que mais surpreendeu nesse congresso, do ponto de vista ideológico, foi a “Moção 3”, que é um documento político apresentado por Raul Mordenti e Andrea Fioretti, que, praticamente sintetizaram as conclusões dos debates que se realizaram nas bases (federações e círculos do PRC). Um documento, politicamente interessante, que rompeu com o falso jogo antagonista entre Paolo Ferrero e Claudio Grassi. De fato, na sua introdução a “Moção 3” rejeita e condena o conceito e a prática das tendências e auspicia a retomada do trabalho político no território para, finalmente refundar o Partido Comunista em uma ótica comunista gramsciana e não apenas parlamentarista.

A linearidade das propostas políticas da Moção 3, seu apego à ideologia marxista e a tenacidade com que foram resgatadas as idéias de Gramsci, na realidade impediram que a dupla Ferrero-Grassi verticalizassem o debate congressual em seu favor. À causa disso não houve a eleição da nova cúpula dirigente, que será realizada somente após um ulterior debate nas bases (federações e círculos). É também por isso que a “grande mídia” ignorou o Congresso e nada disse a cerca das propostas políticas da Moção 3, que, na realidade, foram o principal elemento político inovador deste 9º Congresso do PRC. Propostas que, muito provavelmente, determinarão a volta do PRC no cenário político e sua atuação como verdadeiro partido comunista italiano, com uma línea classista, anticapitalista, antiimperialista e solidário com os povos em lutas.

Achille Lollo é jornalista italiano, correspondente do Brasil de Fato

Lascia un commento

Spam e commenti che non apportano alcuna informazione utile non sono ammessi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione / Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione / Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione / Modifica )

Google+ photo

Stai commentando usando il tuo account Google+. Chiudi sessione / Modifica )

Connessione a %s...

"En Tiempos de Guarimba"

Conoce a quienes te quieren dirigir

La Covacha Roja

Donde encontramos ideas avanzadas

Pensamiento Nuestro Americano

Articulando Luchas, Cultivando Resistencias

EL BLOG DE CARLOS

Por un mundo mejor, posible y necesario

Comitè Antiimperialista

Contra les agressions imperialistes i amb la lluita dels pobles per la seva sobirania

SLAVYANGRAD.es

Nuestra ira no tiene limites. (c) V. M. Molotov

Auca en Cayo Hueso

Just another WordPress.com site

Gli Appunti del Paz83

Internet non accende le rivoluzioni, ma aiuta a vincerle - Il Blog di Matteo Castellani Tarabini

Sociología crítica

Articulos y textos para debate y análisis de la realidad social

rojoutopico.wordpress.com/

Blog de opinión igualitaria, social y política de un tipo Feminista, Galileo y Anticapitalista.

Hugo Chavez Front Canada

Get to know what's really going on in Venezuela

Revista Nuestra América

Análisis, política y cultura

Avanzada Popular

Colectivo Avanzada Popular

Leonardo Boff

O site recolhe os artigos que escrevo semanalmente e de alguns outros que considero notáveis.Os temas são ética,ecologia,política e espiritualidade.

La Historia Del Día

Blog para compartir temas relacionados a la historia, la política y la cultura

Planetasperger

sindrome de asperger u otros WordPress.com weblog

Vientos del Este

Actualidad, cultura, historia y curiosidades sobre Europa del Este

My Blog

Just another WordPress.com site

Festival delle idee politiche

Rassegna annuale di teorie politiche e pratiche della partecipazione civile

Far di Conto

Piccoli numeri e liberi pensieri

Miradas desde Nuestra América

Otro Mundo es Posible, Necesario, Urgente. Desde la provincia chilena

L'angolo dei cittadini

La tua provincia

Como te iba contando

Bla bla bla bla...

Coordinadora Simón Bolívar

¡Bolívar vive la lucha sigue!

LaDu

Laboratorio di Degustazione Urbana

www.logicaecologica.es/

Noticias saludables

il Blog di Daniele Barbieri & altr*

"Per conquistare un futuro bisogna prima sognarlo" (Marge Piercy)

KFA Italia - notizie e attività

notizie dalla Corea Popolare e dalla Korean Friendship Association

KFA Euskal Herria

Korearekiko Laguntasun Elkartea | Korean Friendship Association

ULTIMOTEATRO.PRODUZIONIINCIVILI

Nuova Drammaturgia del Contemporaneo

Sociales en PDF

Libro de sociales en formato digital.

matricola7047

Notes de lectura i altres informacions del seminari sobre el Quaderns de la Presó d'Antonio Gramsci ( Associació Cultural Espai Marx)

Centro Cultural Tina Modotti Caracas

Promoción de la cultura y arte Hispanoamericana e Italiana. Enseñanza y educaciòn.

Racconti di quasi amore

a costo di apparire ridicolo

Ex UAGDC

Documentazioni "Un altro genere di comunicazione"

Esercizi spirituali per signorine

per un'educazione di sani principi e insane fini

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: